Recuperação de Ecossistemas

“Recuperação de Ecossistemas” é o tema escolhido para o Programa Bandeira Azul 2021.

Este tema revelou-se incontornável, considerando que a degradação dos ecossistemas tem um impacto direto no bem-estar de cerca 3,3 mil milhões de pessoas, de acordo com a Assembleia Geral das Nações Unidas, que declarou 2021-2030 como a Década das Nações Unidas para a Recuperação dos Ecossistemas. Com atividades partilhadas entre a Organização para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e o Programa das Nações Unidas para o Ambiente (UNEP), em 2021 inicia-se uma década de grande relevância na preservação do nosso futuro.
Restaurar um ecossistema, terrestre ou marinho, é o processo de reverter a sua degradação e recuperar a sua funcionalidade ecológica; ou seja, é melhorar a produtividade e a capacidade que o ecossistema tem para responder às necessidades da sociedade. A recuperação de ecossistemas destruídos ou degradados contribui fortemente para a mitigação, a resiliência e a adaptação às alterações climáticas; para a proteção da biodiversidade; para a melhoria da saúde e bem-estar; para o acesso, justo e equitativo, a alimentos e água potável, bem como para equilíbrio social e económico, por exemplo com a criação de oportunidades de emprego.
Se um terço das áreas mais degradadas do planeta for restaurada, e protegidos os ecossistemas ainda saudáveis, é possível absorver e armazenar carbono equivalente a metade de todas as emissões humanas de gases de efeito de estufa e evitar a extinção de 70% das espécies ameaçadas.
A restauração dos ecossistemas está, também, relacionada com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, principalmente os que se prendem com as alterações climáticas, a erradicação da pobreza, a segurança alimentar, a conservação da água e a biodiversidade.
Assim, colocar em agenda política e pública a biodiversidade dos ecossistemas significa assumir um compromisso com a Natureza e com o Desenvolvimento Sustentável através da proteção das espécies ameaçadas, da promoção de igualdade social e bem-estar das comunidades, e, consequentemente, com o consumo consciente e responsável.
Os projetos de recuperação de ecossistemas podem assumir variadas formas: plantação de árvores/espécies autóctones; recuperação de sistemas dunares; limpeza da margem de um rio; plantação de flores para ajudar na polinização; identificação e remoção de espécies invasoras; sensibilização e proteção de animais ameaçadas; identificação e valorização de fauna e flora local ou promoção de agricultura sustentável.
No entanto, os projetos de renaturalização devem ser devidamente planeados e realizados por equipas multidisciplinares, uma vez que, tão importante como recuperar os ecossistemas, é saber onde, como e quando o fazer, por forma a não comprometer o próprio ecossistema.

Em 2021, os promotores do Programa Bandeira Azul de Praias, Marinas e Embarcações de Ecoturismo são desafiados a olhar para os ecossistemas, identificar aqueles que podem recuperar e desenvolver atividades nesse sentido. Por outro lado, também são incentivados a juntar-se e apoiar os que já estão em curso, uma vez que qualquer trabalho beneficia se conseguir o maior número de parceiros possível.

Mais informações em: https://www.unenvironment.org/news-and-stories/press-release/new-un-decade-ecosystem-restoration-offers-unparalleled-opportunity

Folheto Oceanário 2021